Novedad

Linhas exteriores sedutoras, que assinalam o novo passo da filosofia human centric da Ford, são o traço distintivo do novo Puma. Um veículo que foi reinventado em forma de crossover. Desejava conhecê-lo, confesse…

As imagens onde mal se entrevia o desenho do novo Ford Puma, apresentadas na primavera, deixaram-nos cheios de curiosidade. A vontade de ver mais, de conhecer tudo, era enorme! Felizmente, a espera terminou: o crossover híbrido de inspiração SUV foi desvelado.

As marcas de identidade deste novo Puma começam no exterior muito apelativo. As suas formas abrem um novo capítulo na identidade do desenho da marca. É suficiente reparar nos pormenores para provar o que acabámos de dizer: faróis dianteiros em forma de canoa, linhas que refletem a aerodinâmica do veículo, proporções compactas…

O tamanho do Puma, perfeito para a cidade (onde vai agradecer a posição de condução elevada), não significa que tenha pouco espaço no interior. Bem pelo contrário, uma vez que o crossover Puma possui uma capacidade de armazenamento de 456 litros, líder no seu segmento. E atenção, trata-se de um espaço flexível, que pode acomodar uma caixa de 112 cm de comprimento, 97 de largura e 43 de altura, se dobrar os bancos traseiros. A Ford MegaBox, com 80 litros de capacidade, permite que o volume para a bagagem seja mais versátil.

O novo Ford Puma é mild hybrid

Debaixo do capot vai encontrar uma mecânica premiada. Estamos a falar do galardoado motor a gasolina EcoBoost 1.0 de três cilindros, com variantes de 125 e 155 CV. Nestes casos, está integrado com a tecnologia EcoBoost Hybrid de 48 voltes da Ford, que graças à assistência de par elétrico permite que a atuação do novo Puma seja potente e eficiente no combustível. O gasto de combustível é de 5,4 l/100 km para o propulsor mais pequeno e de 5,6 para o maior, enquanto que as emissões de CO2 ficam, respetivamente, pelas 124 e 127 g/km.

Além disso, terá um bloco de gasolina EcoBoost 1.0 (126 CV, 5,8 l/100 km, 131 g/km de CO2) e outro diesel EcoBlue, ambos com Auto Start-Stop, e uma caixa manual de seis de velocidades. A mecânica a gasóleo terá disponível uma transmissão automática de sete velocidades.

Tecnologias que oferecem confiança

O que se sente ao volante do novo Ford Puma? As tecnologias de ponta de assistência à condução proporcionam descontração e facilitam a tarefa de conduzir no meio do trânsito. Na longa lista de dispositivos disponíveis encontramos:

Controlo Adaptativo de Velocidade de Cruzeiro com Stop&Go, reconhecimento de sinais de velocidade e assistente de manutenção em faixa.

Novo sistema de informação sobre Perigos Locais (graças ao modem de bordo FordPass Connect), que avisará o condutor com antecedência sobre potenciais situações de risco na estrada (obras, animais na calçada, veículos avariados, etc). Estes avisos são dados mesmo antes dos sensores detetarem as situações.

Porta traseira com abertura de mãos livres.*

– Banco com massagem lombar.*

Ford Co-Pilot360, com 12 sensores ultrassónicos, 3 radares e 2 câmaras posicionadas à volta do carro para melhorar a segurança, a condução e o estacionamento.

*É o primeiro veículo do seu segmento a oferecer este tipo de dispositivos.

O nosso novo Puma é carismático, prático e oferece tecnologias que vão dos bancos com massagens aos motores mild hibrid”, comenta Stuart Rowley, Presidente da Ford Europa. E acrescenta: “Fizemos tudo o que era possível para oferecer aos clientes a flexibilidade que têm pedido e o carro mais bonito de sempre”.

Quando poderá ver o Puma, tocá-lo? Será posto à venda nos finais deste ano, quando começar a sair das linhas de montagem de Cracóvia (Roménia). Os acabamentos incluirão a versão desportiva ST-Line e a elegante Titanium, refletindo as preferências dos vários clientes, e haverá dez cores à escolha.

A Ford aposta nos SUV

Já não há dúvidas sobre isto, basta dar uma olhada à frota da Ford para perceber que os SUV e os crossover estão em crescimento na Ford Europa: Fiesta e Focus Active, EcoSport, Kuga, Edge, Explorer Plug-in Hybrid… Um em cada cinco modelos da marca, vendidos no Velho Continente, corresponde a este tipo de veículos, cujas matriculações aumentaram 19%, em 2018.